(extraído do livro “Tratando Fobia, Pânico e Depressão com a Terapia de Regressão a Vidas Passadas” – Mauro Kwitko – Besourobox Edições)

A visão tradicional

 

Na visão tradicionalmente aceita, o transtorno do pânico é um distúrbio ni­ti­da­mente diferente de outros tipos de ­ansieda­de, que caracteriza-se por crises súbitas, sem fatores de­sencadeantes aparentes e, frequentemente, de tendência a tornar a pessoa incapacitada a levar uma vida normal. Depois de uma 1ª crise de Pânico, por exemplo, enquanto a pessoa dirige, está fazendo compras em uma loja lotada ou está em algum local aberto, uma praça, um estádio de futebol, ela pode desenvolver um medo ­irracio­nal dessas situações e começar a evitá-las. Gradati­vamente, o ­nível de ansiedade e o medo de uma nova crise podem atingir proporções tais que a pessoa com o transtorno do pânico pode até se tornar incapaz de dirigir ou sair de casa. Nesse estágio, diz-se que a pessoa tem Transtorno do Pânico com Agora­fo­bia. Desta forma, o transtorno do pânico pode ter um impacto tão grande na vida cotidiana de uma pessoa como ­outras doenças mais graves, a menos que ela receba um tratamento eficaz e seja compreendida pelos demais.

Leia mais: Transtorno do Pânico

(extraído do livro “Tratando Fobia, Pânico e Depressão com a Terapia de Regressão a Vidas Passadas” – Mauro Kwitko – Besourobox Edições)

 

A visão tradicional

Fobia origina-se do grego Phobia, que significa medo intenso ou irracional, aversão, hostilidade. Segundo o paradigma psiquiátrico oficial é um “medo excessivo e irreal de um objeto, pessoa, animal, atividade ou situação. É um tipo de distúrbio de ansiedade. Algumas fobias são específicas, por exemplo, uma pessoa pode ter medo só de aranhas Aracnofobia ou de gatos Galeofobia. Algumas fobias causam dificuldade em uma variedade maior de lugares ou situações, por exemplo, o medo de alturas “Acrofobia bastando a pessoa olhar para fora da janela de um apartamento, dirigir sobre uma ponte alta e até mesmo vendo cenas de altura no cinema ou na televisão. O medo de espaços fechados Claustrofobia pode ser ativado ao entrar em um elevador, em um recinto fechado, etc. As pessoas com essas fobias geralmente necessitam alterar as suas vidas drasticamente e, em casos extremos, uma fobia pode ditar a profissão da pessoa, o seu local de trabalho, o seu roteiro ao dirigir, suas atividades sociais ou o ambiente de sua casa. Segundo a Organização Mundial da Saúde, 15% da população mundial sofre de algum tipo de Fobia.

Leia mais: Fobias

Quando algumas pessoas perguntam se a Investigação do Inconsciente é perigosa, se a pessoa pode ficar lá na vida passada que acessou, se tem riscos, nós respondemos que sim, e isso pode parecer paradoxal dito por profissionais que trabalham com a Psicoterapia Reencarnacionista, na qual uma das principais ferramentas é justamente a Investigação. É que “ficar lá” significa “ficar sintonizado lá”. Alguns terapeutas mal preparados, imediatistas ou mal-intencionados, acham que Investigação do Inconsciente é só a pessoa deitar, relaxar, e começar a recordar vidas passadas, como se fosse um turismo por vidas passadas. Recordar é uma coisa, uma Terapia realizada na Memória é outra. Se o processo não for bem conduzido, o prejuízo pode ser enorme, para a pessoa e para o terapeuta, principalmente do ponto de vista cármico.

Leia mais: Os riscos da Investigação do Inconsciente

A Associação Brasileira de Psicoterapia Reencarnacionista manifesta a sua profunda preocupação com o rumo que esse procedimento, chamado vulgarmente de Terapia de Regressão, vem tomando no Brasil e no mundo. Essa terapia já mostrou que não é um modismo, está estabelecida e sendo praticada, por muitos médicos, psicólogos e psicoterapeutas no Brasil e em vários países, como se pode observar na literatura, na Internet e nos Congressos e Eventos nacionais e internacionais.

Leia mais: A Ética da Investigação do Inconsciente

Queremos enviar um recado às pessoas que sofrem de alguma Fobia, Transtorno do Pânico, Depressão severa ou dores físicas crônicas, como a fibromialgia, por exemplo. Quando nós divulgamos os benefícios da Investigação do Inconsciente nesses casos, estamos querendo transmitir aquilo que vemos em nossos consultórios, no dia a dia, as melhoras, tanto do ponto de vista dos sintomas como da ansiedade que envolve as pessoas que sofrem desses males e não entendem por que passam por isso, o que é, por que acontecem as crises, de onde vem isso.

Leia mais: Fobia, Pânico, Depressão e dores físicas crônicas

feed-image feed-image